Conexões latinas: lançamentos de Clarice Lispector e Silviano Santiago na Argentina, e de Tezza e Luiz Ruffato no México

Presença da cultura e dos autores brasileiros deve aumentar na Argentina até 2014, com a homenagem à cidade de São Paulo na Feira do Livro de Buenos Aires 

capaSilviano“Não surpreende que seja precisamente Silviano Santiago o primeiro intelectual latino-americano que se dispôs a comparar e a contrastar – a pensar em conjunto – um ensaio de interpretação do Brasil e outro do México”, destaca a editora Corregidor na apresentação do livro de Silviano Santiago que acaba de publicar, Las raíces y el laberinto de América Latina, com tradução e prólogo de Mónica González García. A obra – dedicada ao romancista Autran Dourado – realiza uma análise cruzada dos clássicos Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, e O labirinto da solidão, de Octavio Paz. Não causa surpresa que seja Santiago, pois, conforme destaca o texto de  apresentação, desde os seus primeiros escritos o autor se preocupa em conectar o pensamento brasileiro como parte integrante da América Latina. Romances como Stella Manhattan e Em liberdade, igualmente publicados pela Corregidor, também trazem elementos dessa questão.

Silviano Santiago contribui no outro livro recém-lançado pela Corregidor, o romance La ciudad sitiada, de Clarice Lispector, ao la-ciudadClariceassinar um texto crítico sobre a obra.  A edição conta ainda com texto crítico do americano Benjamin Moser, biógrafo de Clarice. Ambos os livros, o de Silviano e o de Clarice, foram editados com o apoio da Fundação Biblioteca Nacional (FBN) e compõem a coleção Vereda Brasil da editora. Uma das coordenadoras é  Florência Garramuño, tradutora e autora do prólogo do romance La ciudad sitiada. Na página da editora dedicada a Clarice, lê-se que Vereda Brasil é a coleção “mais importante da Argentina (e da América Latina) dedicada a autores clássicos e contemporâneos da literatura brasileira”.

Espera-se que a presença da literatura brasileira venha a ter ainda mais destaque na Argentina até 2014, quando a cidade de São Paulo será homenageada na Feira do Livro de Buenos Aires.  Gustavo Pacheco, chefe do setor cultural da Embaixada do Brasil em Buenos Aires, assina artigo a respeito, apresentando a cultura da cidade, nesta sexta-feira no jornal portenho La Nacion.

No México, a editora Elephas também acaba de lançar obras de dois brasileiros: El hijo eterno, de Cristovão Tezza, com tradução María Teresa Atrián Pineda, e El mundo enemigo – Inferno provisorio II, de Luiz Ruffato, com tradução de María Cristina Hernández Escobar. As duas edições receberam apoio da FBN.


		
Anúncios
Esse post foi publicado em Literatura brasileira no exterior, Programa de Apoio à Tradução e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s